Como evitar que seu curso online se torne irrelevante

Um dos grandes desafios na hora de criar um curso online é conseguir desenvolver um material que, além de ser necessário para quem comprá-lo, não se torne obsoleto rapidamente.

Essa preocupação não é em vão. Afinal, ninguém quer investir seu tempo para criar um material que, em pouco tempo, deixe de ser interessante para sua audiência.

Se você tem algo para ensinar e já decidiu que quer compartilhar seu conhecimento em forma de produto digital, provavelmente pensa em escalar seu negócio.

Neste post, vamos mostrar 9 dicas para te ajudar a manter seu produto sempre atual:

Ao final deste texto, temos certeza de que você fará o necessário para não criar um curso online obsoleto.

A era do descartável

Você já sabe que o ritmo de transformação do mundo está cada vez mais rápido.

As mudanças são percebidas desde bens de consumo, como celulares e computadores, até   no mercado de trabalho, e isso é ainda mais perceptível quando falamos da área digital.

É muito fácil perceber a obsolescência das coisas quando pensamos em produtos físicos.

Por exemplo:

Se você compra um aparelho celular hoje, é bem provável que ele já seja considerado ultrapassado daqui 1 mês.

Mas não pense que esse é um problema apenas para esse tipo de mercadoria. É possível que existam cursos online que passem por um dilema parecido.

No mercado digital, isso acontece porque há nichos bem competitivos que são constantemente explorados por pessoas diferentes. O resultado disso é uma alta quantidade de produtos digitais sobre os mesmos temas e que, às vezes, apresentam até uma estrutura e conteúdo parecidos.

É claro que mais de uma pessoa tem conhecimentos sobre uma determinada área e que, por esse motivo, vão existir produtos diferentes sobre o mesmo assunto.

Não estamos querendo dizer que você precisa inovar a ponto de criar algo totalmente fora do comum. Há outras alternativas para esse problema, como explorar micro nichos.

Além disso, um curso nunca será igual ao outro, já que são duas pessoas completamente diferentes que darão as aulas.

O problema que queremos mostrar é que estamos vivendo na era do descartável, e tudo que não é visto mais como necessário e atual é rapidamente esquecido.

O que fazer, então, quando você percebe que seu curso online está desatualizado se comparado com outros conteúdos do seu nicho?

Será que o segredo é procurar novas áreas de atuação?

Apesar das novidades constantes, você não precisa se desesperar.

O que você precisa fazer é desenvolver as seguintes atitudes:

1. Nunca pare de estudar

Quando você decidiu o tema de seu curso online, com certeza pesquisou muito ou até mesmo já era uma autoridade naquele assunto.

Independentemente de qual tenha sido seu caminho, você estudou muito para conseguir criar todo seu material.

Depois que o curso foi criado e vendido, muitas pessoas acreditam que o trabalho está terminado.

Porém, se você tem alunos bem engajados e uma audiência que ainda não comprou seu produto, mas que se mostra cada vez mais interessada no que você tem para ensinar, precisa continuar estudando para não ficar para trás.

Lembra que falamos como tudo está em constante desenvolvimento?

Esse é o principal motivo para não deixar de se atualizar, mesmo se você acredita já saber tudo sobre seu nicho.

Quando você tem um público que segue fielmente seu trabalho, é bem provável que ele tenha dúvidas e queira tirá-las com você.

Quanto mais informações você tiver, maiores são as chances de conseguir atender melhor as pessoas que buscam soluções em seu produto ou canais de comunicação, como blog e sites.

2. Atualize seu conteúdo sempre que necessário

A segunda dica para não criar um curso online obsoleto tem muita ligação com a primeira.

Quanto mais você estuda, mais aprende. Por isso, consegue perceber melhor as brechas no conteúdo que você não tinha visto antes.

Se você percebeu que tem alguma informação que foi pouco detalhada em seu produto ou até mesmo que esqueceu de abordar algum tópico, não fique com medo de fazer pequenas mudanças em seu material.

Mas é claro que, para isso, você precisa informar seus alunos sobre as modificações.

Uma dica é você criar módulos extras ou até mesmo materiais complementares, como um ebook, por exemplo, para abordar aquilo que faltava.

Informações complementares são sempre bem-vindas. Essa é, inclusive, uma maneira de encantar seus clientes, manter o relacionamento com eles e, quem sabe, despertar o desejo de uma nova compra quando você lançar outro curso.

Ao disponibilizar o que você tem de melhor para seus alunos, além de ajudá-los a encontrar soluções, também melhora suas experiências com seu curso.

Com isso, eles podem até mesmo tornarem-se embaixadores de sua marca e indicar seu produto para outras pessoas.

3. Fique de olho na concorrência

Mesmo que seu curso online seja considerado o melhor de seu nicho, é sempre bom ficar de olho na concorrência.

Quando você tem uma ideia clara do que outras pessoas de sua área estão fazendo, consegue pensar melhor em estratégias para sair na frente e se destacar.

Além disso, pessoas diferentes de você criam produtos diferentes.

Quando você vê um outro curso de sua área, mas com olhos de análise e não de quem produziu, é capaz de perceber o que aquele material tem de diferente do seu.

Essa pode ser uma maneira de encontrar algum detalhe que você possa melhorar em seu curso online.

Mas tome muito cuidado ao fazer essa análise!

O objetivo aqui não é copiar o que outras pessoas estão fazendo e muito menos abordar certos temas só porque um produto mais novo abordou.

Mesmo porque, se você fizer exatamente o que sua concorrência faz, você estará plagiando um conteúdo, o que é considerado até mesmo crime.

4. Analise as críticas

Você sabe que é impossível agradar a todos com um mesmo conteúdo. Quando pensamos em cursos online, isso também acontece.

Por esse motivo, é certo que você receberá críticas ao longo de sua jornada como Produtor.

É claro que algumas críticas não devem ser levadas em consideração, principalmente aquelas que são voltadas para áreas pessoais. Mas há alguns feedbacks que podem te ajudar a ter novas ideias e fazê-lo perceber alguns problemas que você pode não ter visto antes.

Nesse caso, o que você pode fazer para não criar um curso online obsoleto é analisar bem todos os comentários que foram passados e utilizar aqueles que forem críticas construtivas.

A partir disso, pense em maneiras de melhorar o que as pessoas apontaram.

5. Preocupe-se com a experiência do aluno

Em um mundo tão voltado para a tecnologia, “empatia” é a palavra da vez para quem quer se destacar.

Isso significa que você deve sempre se colocar no lugar do outro que, em um curso online, é o seu aluno.

Assim, você consegue entender o que a pessoa possivelmente está sentindo ao comprar e fazer seu curso e, a partir disso, pode propor melhorias em seu produto para aprimorar a experiência de seu usuário.

Em questão de tecnologia, para que seu curso nunca fique desatualizado, preocupe-se sempre com a usabilidade do aluno:

  • A plataforma EAD escolhida para hospedar seu curso online é ideal para seus usuários?
  • Os alunos têm facilidade para encontrar respostas sempre que surgem dúvidas?
  • Você utilizou design responsivo?
  • É fácil localizar o acesso para as aulas?
  • Você explorou o máximo de tecnologias educacionais em seu produto?

Além dessas perguntas, pense em outras que você pode fazer para ter certeza de que está dando o seu melhor para garantir uma boa experiência para seu usuário.

6. Invista em treinamentos e eventos

Sabe quando as pessoas falam como é importante ter doses diárias de encorajamento?

Treinamentos e eventos de sua área de atuação podem ser ótimos para isso.

Há diversas programações para quem está no mercado digital, e você não deveria ficar de fora delas.

Quando você vai a eventos, acaba conhecendo pessoas que atuam no mesmo mercado que você.

Com isso, você pode ter novas ideias para seu curso online, além de fazer contato com pessoas que possam ser seus parceiros futuramente (falaremos mais sobre parcerias na próxima dica).

Fique sempre de olho nos treinamentos e eventos ao seu redor e não tenha medo de investir em alguns deles. Escolha aqueles que você achar mais interessantes para seu negócio.

 

7. Trabalhe de modo cooperativo

Como dissemos na dica anterior, conhecer pessoas novas é sempre bom. Mas, além de conhecê-las, é importante você tentar estabelecer algumas parcerias.

É claro que, se você quiser, pode trabalhar sozinho.

Porém, se você tiver pessoas que te apoiam e dão novas ideias, é possível que você consiga atualizar seu curso online sempre que necessário.

8. Aprenda a se adaptar

Lá no início deste post, nós falamos sobre como o mundo tem mudado rapidamente, principalmente no que diz respeito à tecnologia.

O caminho para conseguir acompanhar todas essas mudanças é aprender a se adaptar sempre que necessário.

Tenha em mente que não aparecerão apenas novas oportunidades para você, mas também novos desafios, e é seu dever conseguir superá-los.

Por isso, aprenda a adaptar seu modo de criar ou divulgar seu curso quando você sentir que é preciso fazer isso.

Um bom exemplo de adaptação é pensar em um mercado além do brasileiro.

Se você tem um produto que funciona bem aqui e já pesquisou e percebeu que ele também é muito procurado na Espanha, por exemplo, por que não tentar traduzi-lo para o espanhol?

Tente não limitar seus horizontes! Mas tome cuidado para não acabar perdendo o foco e tentar fazer mais do que você consegue.

9. Planeje seu futuro

Para finalizar, nossa última dica para te ajudar a não criar um curso online obsoleto diz respeito a você.

Quem é você agora e quem você quer ser daqui 5 anos?

Quais são os objetivos que seu curso online tem agora e quais são os objetivos que você quer que ele atinja futuramente?

Seu curso será útil para alguém que quiser comprá-lo daqui 10 meses ou 10 anos?

Pensar no futuro, seja ele próximo ou distante, é fundamental para entender o que você precisa fazer para que seu produto não fique ultrapassado.

Depois disso, defina as ações que você precisa fazer para que seu curso seja procurado nos próximos anos e não se esqueça de ter sua persona como o principal motivador para as melhorias de seu curso.

Ainda tem dúvidas sobre criação de cursos online?

Entre em contato conosco 11 96495-9980.

Dicas Práticas de SEO para seu E-commerce Vender Mais

Não importa o tamanho da sua loja virtual, se você vende produtos só para um estado ou se vende para o Brasil todo. Uma coisa é certa, ela precisa de SEO e as estratégias listadas abaixo servem para qualquer tipo de e-commerce, grande, médio ou pequeno.


Desde que o varejo é varejo, um dos fatores de sucesso mais importantes, se não o mais, é a visibilidade. Lojas em ruas mais movimentadas geralmente vendem mais, espaços nos corredores mais movimentados dos shopping centers são mais caros e quanto mais chamativa a fachada maiores as chances de atrair a atenção dos consumidores.

Por que vocês acham que o McDonald’s criou aquele M amarelo gigante? Por que é tão caro anunciar na Times Square em Nova York e em Picadily Circus em Londres?

Se você disse VISIBILIDADE, acertou.

Entretanto, além de caríssima, esse tipo “visibilidade” (leiam publicidade) é pouco efetiva nos dias de hoje, principalmente para um e-commerce. Pelo simples fato de que é uma estratégia de massa pouco direcionada.

Disclaimer: “Não estou aqui para discutir reconhecimento de marca e a importância de estratégias de branding para marcas globais com budgets astronômicos. O objetivo da analogia acima foi apenas contextualizar o que vem a seguir”

É aí que entra a Busca ou Search, mais em específico o SEO. Cujo conceito básico podemos definir como:

“Dar visibilidade a produtos e serviços por meio de melhora de posicionamento nos resultados orgânicos do Google e outros buscadores”

Em outras palavras, o objetivo principal do SEO é aumentar o volume de tráfego de pesquisa orgânica qualificado de Lojas Virtuais por meio da melhora de visibilidade (posicionamento) de palavras-chave relacionadas aos produtos oferecidos.

Search engine optimisation é uma das principais estratégias de marketing digital dos grandes varejos há algum tempo, e deve ser a do seu. Como vocês acham que a Amazon se tornou a quarta marca mais valiosa do mundo e o sétimo site mais visitado em todo o planeta?

Portanto, aí vão 7 dicas para melhorar a “visibilidade” do seu e-commerce.

1. Master the Basics

O SEO está em constante evolução e chegar ao topo dos resultados orgânico nunca foi tão complexo. Mas uma coisa é certa, o básico continua sendo o alicerce de uma campanha de sucesso.

Conceitos básicos de SEO

Conceitos básicos de seo para ecommerce

2. Otimize o Rastreamento

Para cada site é estipulado um orçamento de rastreamento ou crawl budget. Em outras palavras, para cada visita do Googlebot à sua loja virtual é determinado um tempo de rastreamento.

Portanto, é importante garantir que a cada rastreio o bot visite o máximo possível de páginas e que essas páginas sejam as mais relevantes. Tal técnica é conhecida como Crawl Budget Optimisation.

Como otimizar o rastreamento do Googlebot?

Começando pelo básico, o Sitemap XML deve listar todas as páginas de produtos e categorias. Para lojas com muitos departamentos é recomendada a criação de um sitemap para cada departamento. Evitem utilizar a diretiva <changefreq>daily</changefreq> e arquivos com mais de 10.000 urls.

E claro, não se esqueça de enviar o sitemap para o Google via Google Search Console.

Bloqueie páginas irrelevantes como filtros e resultados de pesquisa interna para evitar o “Index Bloating”. Lembrem-se não queremos o bot desperdiçando nosso “budget” com página irrelevantes.

Analise periodicamente os logs do servidor para determinar:

  • Como e quando o Googlebot rastreou seu site?
  • Quais são as páginas rastreadas com mais frequência?
  • Quais são as áreas mais rastreadas?
  • Frequência de rastreamento?

A sugestão acima é bem avançada e requer ferramentas como SEO Log File Analyser ou Splunk e claro, acesso aos logs do servidor.

Spoiler Alert: estou participando do beta de uma nova ferramenta que permitirá analisar os logs do servidor de forma rápida, prática e bem simples.

3. Implemente Dados Estruturados

Os dados estruturados ajudam os bots a compreender com mais facilidade o contexto de uma página. Por convenção são três os tipos aceitos pelos principais buscadores:

  • Microdata
  • RDFA
  • Micrados via JSON-LD

O detalhamento de cada tipo pode ser encontrado no site https://schema.org e na documentação de apoio do próprio Google.

Além de auxiliar da contextualização de páginas os dados estruturados são utilizados para criar resultados de pesquisa mais ricos, os famosos Rich Snippets.

resultados de rich snippets com dados estruturados de produtos

Como implementar Dados Estruturados?

A implementação de dados estruturados pode ser feita de diferentes maneiras. Como por exemplo:

  • Direto no código
  • Por meio de plugins e extensões
  • Via JSON-LD
  • Via Google Tag Manager

Dados Estruturados Obrigatórios para E-commerce

4. Invista em UX

Os mais recentes estudos de fatores de ranqueamento comprovam que cada vez mais a experiência do usuário (UX) e SEO estão interligados.

Fatores como tempo de carregamento, experiência em dispositivos móveis, taxa de rejeição e dwell time têm influência direta no posicionamento orgânico de uma página. Portanto, invista em UX, seja com um profissional in-house ou com uma agência especializada.

O budget está apertado? Então, segue algumas dicas:

dicas básica de UX para lojas virtuais

5. Uma imagem vale mais que 1.000 palavras

Um dos elementos mais ignorados na otimização de uma página são as imagens. É muito comum encontrarmos e-commerces sem que nenhuma imagem de produto tenha sido otimizada.

Além de contribuir para o aumento de relevância das páginas de produtos e categorias, otimizar imagens corretamente aprimora a acessibilidade de um site. Fator que poucos sabem que o Google valora. Afinal, porque a Lighthouse avalia a acessibilidade de uma página?

A otimização das imagens de um e-commerce também contribui para o aumento de visibilidade no Google Imagens, ferramenta de busca pouco explorada em estratégias de SEO para e-commerce.

Como otimizar imagens de um e-commerce?

otimização de imagens para ecommerce

Recentemente, o Google fez algumas alterações nas diretrizes de otimização de imagens. Para os interessados segue o link: https://support.google.com/webmasters/answer/114016?hl=en

6. Produza Conteúdo que Atrai Links

Enquanto o SEO existir os links continuarão exercendo influência no posicionamento de uma página. Portanto, se você deseja ultrapassar seus concorrentes nos resultados orgânicos você vai precisar de links.

Conquistar links para lojas virtuais não é tarefa fácil. Afinal, o que eu ganho em apontar um link para sua página de produto?

O segredo está em criar links com valor editorial, ou seja, o link deve complementar a pauta em questão. Portanto, não perca tempo tentando criar links para páginas de produtos ou categorias.

No webinar “Dicas práticas de SEO para aplicar em Seu E-commerce hoje Mesmo“, compartilhei algumas ideias. Se você ainda não assistiu, super recomendo.

E para uma melhor compreensão sobre link building e técnicas para conquistar os primeiros links recomendo:

https://pt.semrush.com/blog/a-unica-tecnica-de-link-building-que-voce-precisa-dominar/

https://pt.semrush.com/blog/como-conquistar-os-primeiros-links-em-um-projeto-de-seo/

7. Foque em Palavras-chave de Cauda Longa

No começo deste artigo eu disse que o principal objetivo de SEO é aumentar o volume de tráfego qualificado para lojas virtuais. Entretanto, no varejo o que é realmente importante é vender.

De nada adianta milhões de visitantes que não compram, certo?

Portanto, foquem em termos mais específicos. Em SEO essas palavras são conhecidas como palavras-chave de cauda longa (long tail keywords).

Quanto mais específico for o termo de pesquisa, maior a probabilidade de conversão. Sem contar que são menos concorridos, portanto, é mais fácil e rápido de se obter um bom posicionamento.

Há anos a ASOS, um dos maiores e-commerce de moda do Reino Unido, utiliza estratégias de palavras-chave de cauda longa para vender milhões de peças de roupas todos os anos.

Qual o segredo da ASOS?

Monitorar as tendências do mundo da moda.

E você, monitora as tendências do seu mercado?

Onde encontrar Long Tail Keywords?

Além de estar sempre ligado nas tendências do seu segmento, existem algumas ferramentas que podem te ajudar a identificar termos de busca mais específicos:

  1. Ubersuggest
  2. Keywords Everywhere
  3. Google Suggest
  4. Keyword Magic Tool

Para mais sugestões e estratégias assista o webinar “Dicas Práticas de SEO para Aplicar em seu E-commerce Hoje mesmo“.

Takeaways

O básico é avançado: garanta que os conceitos básicos estejam perfeitamente implementados.

Compreenda o comportamento do bot em sua loja virtual: otimize o rastreamento e implemente dados estruturados.

Invista em UX: reduza o tempo de carregamento, busque ajuda profissional e nunca pare de testar.

Uma imagem vale mais que mil palavras: não se esqueça de otimizar as imagens dos produtos.

Popularidade e Autoridade: construa links com valor editorial.

Monitore as tendências do seu mercado.

Dúvidas ou Sugestões? Utilizem os comentários, eu sempre respondo todos.

Boas vendas!

Como Marketing de Conteúdo para Redes Sociais pode mudar seu SEO!

O que é SEO

Antes de qualquer estratégia de Marketing de Conteúdo para Redes Sociais, é essencial entender bem o que é SEO para usar a aplicação certa para cada determinado tipo de objetivo.

Como você bem sabe, é essa mentalidade que “divide os homens dos meninos” dentro do ramo dos negócios nos dias atuais.

Essa é uma estratégia essencial se você quer destacar empresas no ambiente virtual, aumentar a visibilidade delas e, consequentemente, conquistar novos leads (possíveis clientes) e clientes efetivos, resultando no aumento de faturamento do negócio.

Afinal, antes de comprar, a maioria dos consumidores vão até a Internet pesquisar sobre o que querem e, dependendo da relação construída nesse contato, até fecham a venda por lá mesmo.

Na missão de possuir um melhor posicionamento orgânico com SEO, pode-se utilizar técnicas de Marketing de Conteúdo para envolver os consumidores.

Mas talvez você se pergunte: o que é Marketing de Conteúdo? Simples: é o processo de criar, publicar e promover conteúdos personalizados para seu cliente para engajar seu público-alvo e crescer sua rede de clientes e potenciais clientes por meio da criação de material de conhecimento relevante.

De forma que envolva e gere valor para os consumidores criando percepção positiva e convertendo isso em mais negócios.

MAS!!! Não cabe apenas escrever e “jogar” na internet.  Existem alguns pré-requisitos a serem cumpridos. Por isso, você precisa saber como atingir seu público de maneira abrangente e assertiva.

Para isso, nada melhor que usar as redes sociais mais usadas para ser conhecido e visto mais rápido.

Entenda como criar conteúdo de qualidade para as Redes Sociais

2.jpg

O primeiro passo a ser dado na criação de um conteúdo de qualidade para as suas redes sociais é conhecer totalmente seu público-alvo. É preciso saber:

  • O que ele gosta;
  • Quais redes sociais ele frequenta;
  • Quais assuntos ele mais comenta em suas redes sociais favoritas.

O segundo passo é criar conteúdo para fidelizar o leitor e fazê-lo entender que você não precisa falar apenas de si mesmo. Então busque compartilhar nas mídias sociais conteúdo de outras fontes, mas que sejam relevantes ao seu público.

O terceiro passo é produzir e trabalhar em cima de planejamentos e cronogramas, pois segundo dados de 2017 da Social Media Trends, as empresas que investem em um calendário editorial definido para redes sociais apresentam uma média de visitas 2,8 vezes maior em comparação às que não se planejam.

Agora, veja abaixo tudo sobre rede social e conheça as características presentes em cada uma delas para disponibilizar seu conteúdo.

Conheça as características de cada uma das redes sociais e crie conteúdos específicos para elas

Antes de produzir e divulgar qualquer conteúdo é fundamental se questionar: este conteúdo é realmente relevante para meu público?

Essa relevância deve ser baseada tanto na solução de uma dúvida ou na satisfação de uma necessidade momentânea do usuário.

Por exemplo:

3.png

Como pode ver, a Cacau Show trabalhou sua estratégia de Marketing de Conteúdo e oferecer a possibilidade de compartilhamento do conteúdo nas Redes Sociais.

A questão é: notou o que e como ela conversou com o público?

Ela ofereceu um conteúdo leve, bonito, com informações relevantes sobre o produto, inclusive colocou uma tabela nutricional para ser checada, e tudo isso com uma linguagem engajadora.

A partir do texto, o consumidor pôde entender e decidir se é aquele o produto que ele está buscando, principalmente quando ele ainda pôde conferir a tabela, a qual agregou ainda mais informação ao cliente.

É disso que estamos falando!

Entregar conteúdo relevante com a linguagem ideal para o seu público-alvo faz toda a diferença.

Ou seja: estratégia é tudo! Pare e planeje com cuidado sua estratégia de Marketing em mídias sociais, afinal ela será responsável por grande parte do seu sucesso.

Outro ponto essencial a ser levado em consideração é que os conteúdos precisam ser personalizados para cada uma das redes sociais, tanto para não correr o risco de obter conteúdos copiados, quanto pelo fato de cada rede social oferecer uma forma distinta de se comunicar.

Nesse caso, estamos falando de quando o conteúdo é criado para uma rede social específica. Diferente da Cacau Show, nesse caso, pois ela criou o conteúdo do site e permitiu que os usuários o compartilhe nas redes sociais.

Mas para explicar melhor selecionamos algumas das redes sociais mais usadas no Brasil e apresentamos algumas dicas de como criar conteúdos adaptados às suas especificidades, de acordo com os princípios do Marketing de Conteúdo.

Facebook

O Facebook é a Rede Social mais usada no Brasil e no mundo!

Até o fim de junho de 2017 ele contava com 2 bilhões de usuários, sendo por volta de 110 milhões de usuários brasileiros registrados e aproximadamente 50 milhões de páginas de marcas, empresas e personalidades.

Investir em Marketing de Conteúdo para Redes Sociais como o Facebook não é tarefa tão complicada, pois a rede trabalha com diversos formatos de conteúdo.

O difícil é saber articular tudo de maneira estratégica, adequando-se ao seu público-alvo e ao posicionamento da própria empresa, sem fugir do objetivo estipulado na hora de montar sua estratégia de Marketing Digital nas redes sociais.

A Coca-Cola é uma das empresas que trabalha bem esse conceito nas Redes Sociais. Confira:

4.png

De maneira engraçada e simples, a Coca trouxe o espírito Natalino para essa publicação.

Ela brincou com um ditado popular e trabalhou a divulgação da Coca-Cola Zero Açúcar em uma divulgação rica em texto, gif e hashtags.

Mas calma aí, o que é essa hashtag #PraCegoVer?!

Pois é, a Coca foi ainda mais além!

A #PraCegoVer é um projeto da baiana Patrícia Braille que visa disseminar a cultura da acessibilidade nas redes sociais e tem por princípio a audiodescrição (tradução e transformação de imagens em palavras) de imagens para apreciação das pessoas com deficiência visual.

Mas enfim, o projeto é incrível e você pode entendê-lo melhor em sua página do Facebook.

O legal aqui é entender que além do conteúdo da Coca que trabalhou linguagem ideal do público-alvo e divulgou o produto em pauta, a marca ainda utilizou a postagem para fazer um incentivo a um projeto social, disseminando ainda mais o conceito nas Redes Sociais

Bacana, não é?

Então faça como a Coca e não deixe de inovar! Hoje é possível investir em vários formatos de conteúdo no Facebook e alguns pontos são fundamentais para adquirir resultados benéficos, tais como:

  • Uso de lives (transmissões ao vivo);
  • Respostas aos comentários feitos em sua página ou perfil;
  • Postagens que influenciam no engajamento do público;
  • Não “floodar”, ou seja, não postar conteúdos repetidos em um intervalo curto de tempo;
  • Criação de grupos, concursos e eventos.

LinkedIn

O LinkedIn tem cerca de 300 milhões de usuários cadastrados em mais de 200 territórios. Dentre eles, o Brasil é o terceiro país com maior público do mundo presente na rede social.

Olha aí a chance de trabalhar o Marketing de Conteúdo nessa rede social!

O LinkedIn é uma rede social corporativa e para quem sabe dosar os conteúdos com tons formais e informais, achando um meio termo adequado para o seu negócio, encontra a receita de um conteúdo atrativo e interessante.

Essa rede social não é tão versátil quanto a citada no tópico anterior, um dos conteúdos mais buscados pelos usuários no LinkedIn é a respeito de dados e insights sobre as empresas, tais como o tráfego do seu negócio, o quadro de funcionários, as metas conquistadas e assim por diante, pois isso demonstra como estão as empresas em números exatos.

Mas olha só um exemplo de postagem do Bradesco:

5.png

Mesmo sendo uma rede corporativa que necessita de conteúdos mais sóbrios, o Bradesco é um exemplo de empresa que sabe dosar bastante o tom das palavras para tornar as postagens atrativas e interessantes, mesmo sem sair da linha adequada do negócio.

Aqui o Bradesco apresentou a nova vertente de negócio do banco de maneira informativa, criativa e interativa.

O banco usou, além do conteúdo textual, um vídeo para tornar o conteúdo mais palpável e olha quem apareceu novamente! Sim, a #PraCegoVer!

Ou seja, o LinkedIn também permite inovações, tal como o apoio a projetos, uso de hashtags, vídeos e assim por diante.

Bastante didático, não?

Não é à toa que a empresa conta com mais de 200.000 seguidores no LinkedIn!

Além disso, é válido investir em postagens de anúncios sobre vagas, mudanças na empresa que possam interessar ao público, novidades na administração e informações que demonstrem vantagens sobre a concorrência.

Lembre-se: Não é necessário usar o ultra formalismo. Sua empresa pode ser leve, engraçada e tudo o que ela deseja sem perder o “feeling” do LinkedIn.

Formas interessantes de trabalhar o Marketing de Conteúdo nessa rede social também podem ser feitas através de:

  • Espaços disponibilizados para discussões;
  • Realizar posts com integração do SlideShare;
  • Guest posting como a chave do sucesso.

Instagram

O Instagram tem 800 milhões de usuários ativos por mês e 500 milhões por dia.

Com essa rede social as empresas têm um canal para transmitir o espírito do negócio de uma maneira mais humanizada e próxima ao público.

Além disso, por ser constituída de fotos e vídeos, a rede social é perfeita para exibir os seus produtos, ser criativo e entreter a sua audiência.

Uma empresa que vem sendo ótima referência em Marketing de Conteúdo para Redes Sociais é a Marisa. Dê uma olhada na postagem:

6.png

Além de uma imagem de incrível qualidade, a empresa falou do produto de maneira simples, porém atrativa.

Imagine se a empresa fosse fria, desinteressante e se expressasse com uma linguagem completamente rebuscada. Nada bacana, não é? Ainda mais para o caso de falar sobre preços. Por isso existe toda a estratégia planejada por trás de cada postagem.

O Instagram está em aprimoramento constante. Essa é uma das Redes Sociais que mais passou por atualizações, uma delas é a adição dos “stories”, por exemplo, no qual as imagens e vídeos ficam expostas por 24h, oferecendo uma ação mais dinâmica e uma nova forma de produção de conteúdo para redes sociais.

Uma boa estratégia de divulgação no Instagram conta com:

  • O uso de #hashtags;
  • A produção de stories;
  • As reportagens de conteúdos divulgados;
  • Integração com outras mídias sociais.

O Instagram, assim como o Facebook, comporta conteúdos bastante diversificados, tornando-se uma rede social bastante dinâmica e interativa. Sendo assim, saber usar essa rede social a favor de um bom plano de Marketing de Conteúdo é assertivo e gera grandes resultados para o negócio, desde visibilidade até o aumento de vendas.

YouTube

O YouTube é uma das Redes Sociais mais usadas no mundo, inclusive, é a segunda delas.

Ele conta com cerca de 82 milhões de usuários ativos no Brasil, tornando-o a segunda rede social mais usada no país também.

A cada minuto a plataforma de vídeos ganha 100 horas de novos vídeos e 6 bilhões de horas de vídeo são vistas todo mês no Youtube.

A rede passa por constantes atualizações, principalmente a respeito de suas políticas internas, por isso é importante estar atento a qualquer mudança na hora de assegurar a permanência de seus vídeos em sua plataforma.

Para trabalhar o Marketing de Conteúdo para Redes Sociais como o YouTube é necessário seguir algumas dicas:

  • Descubra o formato ideal de vídeos (Tutoriais, bastidores, música, palestras, jogos ou vlogs) a partir do estudo do seu público-alvo;
  • Conte histórias, não se prenda apenas a conteúdos institucionais, torne-os mais dinâmicos e interessantes;
  • Utilize com qualidade e criatividade as anotações e legendas do vídeo.

O YouTube oferece um mundo de opções para produção de conteúdo, mas o primeiro passo é saber o que realmente agrada seu público. Depois é começar a investir em material de qualidade.

Exemplo:

7.png

O Nubank tem investido muito em produção de vídeos como estratégia de marketing digital para redes sociais, nos quais eles explicam sobre o produto, como ele funciona, oferece passo a passo das ações, como lidar com o aplicativo deles e assim por diante.

Essa prática traz o usuário mais para perto da Instituição, afinal eles usam exatamente a linguagem do público-alvo da empresa dentro e fora das Redes Sociais. Com isso eles estão ganhando cada vez mais força e solidificando a marca no mercado.

Google Plus

Embora não pareça, essa é uma das mídias sociais mais usadas pelos brasileiros, fazendo o maior sucesso entre pessoas de 45 a 60 anos.

A maior vantagem do Google+ é a sua capacidade de integração com os outros produtos Google (buscas, Youtube, Hangout, e-mail etc.).

Para ter um conteúdo para redes sociais de destaque no G+:

  • Crie círculos de interesse;
  • Nutra comunidades;
  • Faça contatos através do Hangouts.

Sabe quem é muito famoso por lá?

8.png

Ele mesmo! Snoop Dogg.

O cara tem mais de 9 milhões de seguidores!

E não é apenas ele que vemos por lá. Britney Spears também faz sucesso, Marck Zuckerberg e até mesmo o Terra, site de notícias.

A rede social permite sincronizar os serviços do Youtube ao Vivo, chamando os usuários a participar de suas transmissões e acompanhar em tempo real tudo o que é exibido em seus vídeos.

Para isso, planeje conteúdos dinâmicos, como palestras, eventos de demonstração e até mesmo um perguntas e respostas ao vivo com o seu público, sempre focando no tipo de atração que faz mais sucesso no seu mercado de atuação.

Outra forma de investir em marketing nas redes sociais é o Twitter.

Twitter

O Twitter tem mais de 1 bilhão de usuários e 46% deles tuitam pelo menos 1 vez por dia. Com isso, todos os dias são postados cerca de 500 milhões tuítes.

Dentre as Redes Sociais de sucesso, essa tem uma particularidade muito importante: o limite de caracteres, 140 especificamente. Embora atualmente ela tenha expandido esse limite quando o conteúdo é postado junto à links, imagens, gifs e vídeos. Isso faz com ela se torne mais despojada e muito mais voltada para cotidianos, por exemplo.

Para a produção de um bom conteúdo e uma prática assertiva de Marketing nas redes sociais:

  • Esteja atento aos Trending Topics (assuntos mais comentados do momento);
  • Não se preocupe apenas com os 140 caracteres, afinal o Twitter já permite o uso de uma quantidade maior de caracteres, desde que junto ao texto seja trabalho um vídeo, imagem, gif ou afim;
  • Compartilhe e divulgue vídeos, gifs e tudo mais que você quiser.

Lembre-se sempre de variar nas suas postagens, mas mantendo sempre a linguagem e a identidade visual definidas para sua empresa.

Dica: Bom humor é sempre um ponto positivo! Principalmente na criação de conteúdo para mídias sociais tão dinâmicas como o Twitter.

Confira exemplos de marcas que souberam encarar a situação e as interações com bom humor, por mais atípicas que elas fossem:

9.jpg

10.jpg

Com certeza, essas marcas dominaram a situação, fizeram a alegria de seus usuários nas Redes Sociais e geraram uma imagem positiva neles.

Como, então, melhorar o SEO com tudo isso?

É um processo lógico e bastante simples:

Se você está nas redes sociais, está onde seus consumidores está.

Estando diante deles, cabe agora atingi-los da melhor maneira possível com algo que seja, ao mesmo tempo, interessante e relevante.

Posicionamento de marca:

Se o usuário sempre te vê por ali, relacionado a um produto ou serviço, ele passa a entender que você é referência no assunto.

Então, busque formas de se relacionar com seus seguidores com conteúdo de qualidade, interações e o que for preciso para manter esse importante canal de comunicação sempre ativo.

Aproveite a visibilidade:

As redes sociais podem te levar a um patamar que você nunca antes imaginou. Faça um bom trabalho, aposte em estratégias criativas e veja como você ganhará visibilidade rapidamente.

Como os botões de compartilhamento e comentários são muito fáceis de serem usados, os usuários não pensam duas vezes em clicar se gostarem do que estão vendo;

Integre site com redes sociais:

Lembre-se!!!

Você precisa fazer com que suas redes sociais sejam uma extensão de seu site e vice versa. Isso faz com que todos fiquem conectados em ambos os locais e com isso, gere tráfego qualificado.

Essa dica é muito importante, principalmente, se você trabalha com vendas e precisa levar o usuário da rede social para uma página de compra.

4 tendências que estão dominando o marketing de conteúdo

Independentemente de estarmos ou não na era de ouro do marketing de conteúdo, uma coisa é certa: a batalha para que os profissionais de marketing adquirissem conteúdo para a estratégia de conteúdo, criação e implantação se estabilizou.

As pessoas não querem apenas conteúdo, elas sabem que querem e estão dispostas a recompensar as marcas que dão a elas um conteúdo ultra perfeito. Essa percepção está chegando em um momento empolgante, já que as plataformas, tecnologias e oportunidades para consumir conteúdo estão mais robustas do que nunca.

Então, quais são as grandes tendências que direcionam o marketing de conteúdo hoje? Vou explorar como as marcas podem reduzir o ruído e fornecer aos seus públicos-alvo conteúdo orientado a valor com o qual eles se envolverão e compartilharão.

1. Conteúdo construído para pesquisa por voz

De acordo com o TechCrunch, os alto-falantes inteligentes habilitados por voz ficarão em 55% das residências até 2022. Claramente, estamos no meio de uma revolução na busca por voz.

Por causa dessa penetração iminente, os criadores estão se esforçando para descobrir como fornecer valor real com essa interface crescente. Empresas de genômica pessoal, como a Veritas, exibiram demonstrações impressionantes mostrando a possível integração entre a área de atendimento de última geração e a área de saúde.

Para o Alexa, é o uso da funcionalidade de habilidades permitirá que empresas de terceiros desvendem o verdadeiro poder da interface. Com esse tipo de acesso, é apenas uma questão de tempo até que alguém libere um aplicativo realmente matador que passe pela mera funcionalidade de voz e realmente entre no marketing de conteúdo.

2. Entrega Automatizada de Conteúdo

A ideia de um megafone dourado ou mono-mensagem para uma marca está se tornando cada vez mais antiquada. Esse novo mundo de vários públicos e casos de uso, recursos de segmentação e redirecionamento e serviços de automação de empresas como a HubSpot e a Sharpspring oferecem aos profissionais de marketing a oportunidade de criar programas de conteúdo individuais para segmentos de público muito menores.

Ele também permite que os profissionais de marketing forneçam peças importantes de conteúdo em partes críticas da jornada do usuário. Conheça o consumidor onde ele está, em vez de abrir um monte de conteúdo generalizado em uma única lista de boletins informativos.

3. Live-Streaming

Embora a transmissão ao vivo tenha sido bastante nova desde quando o Facebook Live foi aberto ao público em 2016, você precisa fazer mais do que simplesmente apontar e transmitir para se destacar nos dias de hoje.

Os últimos pedaços de monocultura que nos restam – esportes, premiações e eventos televisivos como Game of Thrones e The Walking Dead – criaram indústrias caseiras de recontagens instantâneas, blogs e, sim, imagens instantâneas transmitidas ao vivo do episódio anterior ou jogo. Não há mais a espera até segunda-feira de manhã para descobrir o que seus críticos favoritos pensaram do final da temporada passada.

Então, como as marcas estão capitalizando essas tendências de audiência? Como as contrapartes da cultura pop, as marcas que estão aproveitando com sucesso o streaming ao vivo e estão aproveitando os sentimentos de exclusividade e acesso.

4. Realidade Aumentada

Se você já esteve na Internet, ouviu falar sobre realidade aumentada ou AR. Talvez o maior sucesso de AR alcançado até o momento tenha sido quando a Nintendo e a Niantic obtiveram grande sucesso com o Pokémon Go em 2016. Mas não aceitemos nossa palavra; basta olhar para esse cara:

O Universal Studios e o Ludia de Montreal fizeram outro grande sucesso recentemente com o aplicativo Jurassic Park Alive. Sempre quis ter seu próprio dinossauro, mas não conseguiu passar da cláusula de “sem animais de estimação” no contrato de locação? AR está batendo em sua porta agora com um bebê einiosaurus em uma cesta. Melhorando a Efetividade da Campanha de Marketing Paga B2B Através da Medição de Pipeline no aplicativo Jurassic Park Alive, os jogadores podem capturar, coletar e combater dinossauros.

Parece pouca coisa, mas não é, se bem feitos, farão a sua marca explodir com sucesso, mas se for apenas introduzida e sem continuação, fará com que sua marca seja alvo de perda de força perante o seu público.